Tribunal Permanente dos Povos - Sessão III

20 – 22 de Maio 2022 Berlin, Alemanha

O Tribunal abrirá às 18h na sexta-feira e continuará no sábado e domingo. A presença deve ser registrada,e se desejar participar, por favor contate imrvbremen@gmail.com o mais cedo possível. 


As doações podem ser enviadas para: IMRV - Alemanha, IBAN: DE77 2001 0020 0009 9292 07 ou GoFundMe: https://gofund.me/ee1f96a4

 

A Inclusão do Tigres de Libertação de Tamil Eelam- TLTE na lista de terroristas pela União
Europeia, por instigação dos EUA, foi o gatilho político para a guerra genocida contra os
Eelam Tamils?

Em maio de 2006 – a UE, principal apoiador internacional do processo de paz no Sri Lanka – violou a
“paridade de estima” concedida às partes negociadoras ao banir um dos lados do processo – o TLTE.
A terceira sessão do tribunal examinará se houve pressão sistemática exercida pelos EUA e pelo
Reino Unido para minar o longo processo de paz de quatro anos – levando a UE a banir o TLTE –
precipitando assim a terrível guerra de extermínio. A sessão de Berlim examinará meticulosamente
os fatos para estabelecer não apenas se isso aconteceu, mas, em caso afirmativo, quais teriam sido
os motivos dos EUA e do Reino Unido.

O banimento dos TLTE pela EU foi um “crime contra a paz”?

O promotor do tribunal de Nuremberg descreveu o “crime contra a paz” como o crime mais significativo, contendo em si o mal acumulado de toda a guerra (crimes de guerra, crimes contra a humanidade/genocídio). Neste caso, o banimento dos Tigres de Libertação do Tamil Eelam - TLTE em
2006 pela UE, sob forte pressão dos EUA, foi um ato responsável pelos assassinatos em massa que se seguiram e pela situação atual na ilha? Em caso afirmativo, quais foram os principais atores que
deveriam ser responsabilizados por este crime contra a paz?

Os Eelam Tamils foram sacrificados para abrir caminho para a base militar dos EUA no Sri Lanka?

A política dos EUA de destruir o TLTE durante o Processo de Paz do Sri Lanka e o atual engajamento militar com o Sri Lanka foi motivada pelo desejo de usar o Sri Lanka, e em particular o porto de Trincomalee, habitado pelos tâmeis, como um ativo militar dos EUA? Esta base dos EUA em Trincomalee é uma ameaça à paz e à justiça globais?

 

O USS John C. Stennis, fotografado em fevereiro de 2019. Em dezembro de 2018 e janeiro de 2019, o primeiro porta-aviões
da classe Nimitz a visitar a área em 30 anos foi recebido nos centros de logística instalados anteriormente em Trincomalee e
também em Colombo. “O objetivo principal da operação é fornecer suprimentos e serviços de missão crítica para navios da
Marinha dos EUA que transitam e operam no Oceano Índico.”

 

Como vemos um confronto ocorrendo entre os dois lados da divisão geopolítica sobre quem controla esta ilha estrategicamente importante, enquanto sua economia entra em colapso - os Eelam Tamils no Sri Lanka e na diáspora acharão as deliberações neste tribunal muito instrutivas . E, como o mundo está testemunhando novamente, na Ucrânia, o fracasso das negociações resultando em uma guerra terrível, as discussões no Tribunal de Berlim não serão apenas uma preocupação para os Eelam Tamils, mas para todos os envolvidos na paz através das negociações.

A terceira sessão do tribunal – tal como as sessões de Dublin (https://pptsrilanka.org/) e de Bremen (https://www.ptsrilanka.org/) – decorrerá sob a égide do Permeant Peoples Tribunal (http://permanentpeoplestribunal.org). Tal como nas sessões anteriores, os organizadores serão o “Internationaler Menschenrechtsverein Bremen” (https://humanrights.de/) em colaboração com o ‘Fórum Irlandês para a Paz no Sri Lanka’ – Dublin (www.ifpsl.org)

Ao articular um tribunal como esse, do povo, no sábado dia 21 de maio, das 14h00 às 16h00 (horário de Berlim), 30 importantes ativistas de direitos humanos da Ásia, África, Europa e América Latina se envolverão no Tribunal virtualmente em uma manifestação solidariedade entre os povos.

Nossos esforços para trazer à luz os resultados das duas primeiras sessões do Tribunal foram mais produtivos nas comunidades indígenas da América Latina. Os povos indígenas do Equador iniciaram essa solidariedade de povo para povo. O painel de jurados da sessão de Berlim é um reflexo e uma celebração dessa realidade.

 

Painel de jurados:

Denis Halliday (ex-secretário-geral adjunto das Nações Unidas e ganhador do Prêmio Gandhi
Internacional da Paz)

Javier Giraldo Moreno (Vice-presidente do Tribunal Permanente dos Povos e teólogo da libertação colombiano que é um proeminente ativista dos direitos humanos na América Latina)

Ana Esther Cecena (Diretora do Observatório Geopolítico Latino-Americano e professora da Universidade Nacional Autônoma do México)

Flavia Carvalho (assistente juíza do TJ-SP e STF e feminista afro-brasileira) Lourdes Esther Huanca Atencio (Presidente da Federação Nacional das Mulheres Camponesas, Artesãs, Indígenas, Indígenas e Assalariadas do Peru)

Feliciano Valencia (ex-senador colombiano, líder indígena da Nasa da região de Cauca)

Na'eem Jeenah (diretor executivo do Centro Afro-Oriente Médio na África do Sul e ex-presidente do Movimento da Juventude Muçulmana da África do Sul)

Liza Maza (secretária-geral da Liga Internacional de Luta Popular (ILPS) e ex-membro da Câmara dos Representantes das Filipinas)

Lonko Juana Culfunao Paillal (líder da comunidade indígena Mapuche do sudoeste do Chile que luta pela soberania de seu povo e fundadora da Comissão Ética contra a Tortura)

Junaid S. Ahmad (Diretor do Centro para o Estudo do Islã e Decolonialidade, Islamabad e Fundador e Presidente do Comitê de Solidariedade à Palestina, Paquistão)

Gianni Tognoni (secretário-geral do Tribunal Permanente dos Povos em Roma)

 

O Tribunal investigará as seguintes áreas inter-relacionadas:
1. Quem detém a principal responsabilidade na guerra contra os Eelam Tamils?
2. O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas é manipulado pelos perpetradores?
3. A guerra de extermínio dos Eelam Tamils foi uma ameaça à paz no Oceano Índico?
4. Qual é o significado da criminalização internacional dos ativistas tâmeis?
5. A destruição do progresso social feito em Tamil Eelam, particularmente no que diz respeito às
mulheres, faz parte do processo genocida?
6. O genocídio estrutural em curso é apoiado por perpetradores externos?